A Guerra em São Januário

quarta-feira, 8 de maio de 2013

FUTEBOL / POLÍCIA - TORCEDORES DO CORINTHIANS PODEM DEIXAR PRISÃO NA BOLÍVIA

Ficar em prisão domiciliar aguardando o andamento do processo já será uma "vitória" e um alívio para os torcedores presos na BOLÍVIA e seus familiares que estão aqui no Brasil. A situação do governo brasileiro é a de respeitando a soberania da Bolívia e suas Leis, tentar dar o máximo de assistência aos brasileiros presos. Tudo isso poderia ser evitado, inclusive a absurda morte do jovem boliviano, se as pessoas fossem aos estádios de futebol simplesmente torcer e se divertir. 

Infelizmente há quem não respeite os regulamentos e entenda que ser torcedor é o mesmo que ser bandido. Um dia a casa cai.

Autoridades vão negociar relaxamento de prisão de torcedores brasileiros

08.05.2013

Brasília – O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, prepara para a próxima semana uma viagem à Bolívia. Cardozo e o presidente da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional, Nelson Pellegrino (PT-BA), querem negociar a prisão domiciliar para os 12 brasileiros detidos em Oruro (Bolívia), sob a acusação de participação na morte do estudante boliviano Kevin Espada, de 14 anos. Os torcedores corinthianos estão detidos há quase três meses.

Segundo a comissão, a Embaixada do Brasil na Bolívia alugou uma casa em Oruro para que os torcedores possam permanecer em prisão domiciliar, enquanto aguardam o indiciamento formal. Na Câmara, foi criado um grupo de trabalho para acompanhar a situação dos brasileiros.


Os torcedores foram presos após a morte do estudante durante o jogo entre o Corinthians e o San José (time boliviano), na Bolívia, na disputa pela Taça Libertadores. Espada morreu ao ser atingido por um sinalizador. Para os policiais bolivianos, o sinalizador foi disparado da área na qual estavam os torcedores brasileiros. Eles negam responsabilidade.

O grupo de trabalho formado por parlamentares se reuniu ontem com representantes dos ministérios das Relações Exteriores, da Justiça, da Secretaria Nacional de Direitos Humanos e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). O deputado Vítor Paulo (PRB-RJ), coordenador do grupo, disse que as investigações avançam e que a promotoria ouviu um adolescente brasileiro, que não está entre os torcedores presos, que assumiu a autoria do disparo do sinalizador.

Para Pellegrino, os próximos 15 dias serão decisivos. Segundo ele, o governo brasileiro tem se esforçado para indicar que é ilegal a prisão dos 12 torcedores, pois cinco deles estavam do lado de fora do estádio quando houve o disparo.

Edição: Graça Adjuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores